Dias e noites se alternando e, lá fora, um vento frio soprando em todas as direções. Os olhos que tudo veem, se deixam levar pela mente. Onde  os sonhos conduzem uma longa viagem. Em poucos minutos me transporto para o pensamento, onde os limites são determinados pela lembrança. Transito por várias fases da vida e me lembro de atos que me envergonharam ou me entristeceram. Embora tenham sido impactantes, agora parecem sem importância alguma. Simples recordações. Episódios do alternar dos dias da vida. Do exercício do viver. Do aprender aceitando os acertos e os desacertos… Seguindo na viagem do pensamento,  percebo que não consigo reviver o sentimento ruim causado naquele tempo. Tudo se tornou lembrança.

E lá fora, um vento frio soprando em todas as direções. Posso me entregar e me deixar voar. Longe, um barco de pescadores vagueia no balançar de um mar embaçado, parecendo me espreitar nessa cortina aberta pelo véu da lembrança. Quem poderá estar naquele barco? Quais são seus sonhos, seus anseios? Minha mente fervilhando e me trazendo lembranças da noite. A madrugada clareando o dia e apertando meus olhos. Me mostrando o eu da verdade. Me lembrando o eu do mundo…

Lá fora, um vento frio soprando em todas as direções. Ondas chicoteando pedras que, impassíveis, não sentem dor. Na surdez do pensamento as ondas quebradas, mudas, seguem seu destino. Tentam se libertar mas voltam  à sua origem, ao seu mundo.

Um vento frio soprando em todas as direções. Um gole de cerveja esfriando  meu pensamento, trazendo lembranças de dias importantes em minha vida…

Vento frio soprando. Uma mulher se perdendo na praia… No fechar dos olhos.