Fernando Brant foi  um lutador incansável pelos direitos do autor e compositor. Uma das mais belas frases ditas por ele foi: “O autor existe”.

Observando hoje sua trajetória, percebo que sua forma de conduzir essa bandeira dos autores e compositores, ao longo de sua vida, nos revela um homem, sobretudo, comprometido com as causas humanas. Para ele a justiça se aprende, inicialmente, no ambiente da família, dentro de casa. Depois, no âmbito escolar e no exercício das relações humanas no dia a dia. Respeito, solidariedade e união dando suporte para a luta e busca de melhores dias.

Ele pensava, por exemplo, que o sofrimento de uma criança, em qualquer parte do mundo era responsabilidade de todos os seres.  Que todos nós deveríamos combater sempre o mau, o desprezo pelas causas nobres e as injustiças causadas pela inabilidade na condução política. Porém, utilizando sempre de armas amparadas pela nossa constituição, que nos garante os direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna. Guiada pelo nosso desejo de um mundo mais justo. Onde a razão nos dê suporte para uma vida em comunhão com todos os seres que povoam esse nosso planeta..

À frente da UBC (União Brasileira de Compositores), Fernando seguiu o caminho daqueles que o precederam e lutaram para tornar a vida dos autores e compositores mais digna. Daqueles que exigiram o respeito e a valorização desses profissionais que dedicam suas vidas à criação. Incansável, viajou por todo o mundo e lutou dentro de seu país, enfrentando grandes dificuldades nos âmbitos políticos e na atitude irresponsável de vários poderes que tentavam diluir um direito conquistado com muita luta.

Um homem que passou pela história do direito autoral cumprindo sua missão e deixando um rastro de esperança para todos os criadores. Para as novas gerações.

Ele escreveu: “Quero a utopia, quero tudo e mais. Quero a felicidade dos olhos de um pai. Quero ver nas ruas, muita gente feliz. Quero que a justiça reine em meu País”.

Como amigo e parceiro na música, que conviveu com Fernando Brant durante aproximadamente 26 anos, eu somente posso dizer que, caso a vida não tivesse sido tão boa para mim e eu tivesse que seguir outro caminho, senão o da música, eu me sentiria sempre honrado e feliz por ter tido a possibilidade dessa convivência. Fernando sempre viverá em meu coração e na lembrança daqueles que acreditam em tempos melhores para os criadores, em todo o mundo.

Viva para sempre Fernando Brant.